Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

As minhas escolhas - UEFA EURO 2016

EURO 2016 - Grupo A

As minhas escolhas - UEFA EURO 2016

 

França

Principal candidato a ganhar o grupo e um dos principais candidatos ao título. Tem vários jogadores de top e tem a vantagem óbvia de jogar em casa. Ofensivamente têm muita qualidade em todas as posições e ainda alguns suplentes capazes de desequilibrar os jogos mais difíceis (como Sissoko ou Martial). Pogba e Matuidi são dois médios enormes que dão garantias de cobrir todo o terreno sem grandes problemas mas o balanceamento ofensivo da equipa vai quase de certeza fazer com que Deschamps opte por um pivot defensivo (Diarra) encostando Griezmann a uma das alas.

Onze inicial

França 2016

Tem nos dois centrais (ou nos quatro porque Mangala também não dá garantias e Umtiti foi convocado à última hora após lesão de Varane) a principal fonte de problemas e os resultados vão depender muito da capacidade de equilíbrio dos médios. A organização da linha defensiva também não facilita o trabalho dos centrais que estão sempre agarrados a referências individuais deixando zonas vitais à mercê da capacidade de recuperação dos médios.


Os laterais Franceses são extremamente ofensivos e projectam-se diversas vezes os dois em simultâneo. Esta situação causa problemas aos adversários que são obrigados a defender muitos contra muitos adversários em zonas próximas da baliza, no entanto, a transição defensiva nem sempre é acautelada e expõe diversas vezes a equipa a inferioridade numérica no terço defensivo.

 

Suiça

Em princípio vai discutir com a Roménia a passagem aos oitavos. Tem no plantel bons valores individualmente como os médios Shaquiri e Xhaka ou os laterais Ricardo Rodriguez e Litchsteiner. Embolo, aos 19 anos pode ter oportunidade de crescer e ser importante para a sua equipa nesta fase final dando a irreverência e a capacidade de desequilibrar que a Suiça normalmente não consegue apresentar.

Onze inicial

 

Roménia

Pode lutar por um lugar na fase seguinte, mas não tem as individualidades da Suiça. Pode no entanto disfarçar com uma ideia de jogo mais paciente e aproveitando os erros dos adversários. Nesta equipa jogam ainda o ex-FC Porto Sapunaru e Chiriches que chegou a fazer parte da equipa B do Benfica mas que, devido a lesões graves, não chegou a jogar. Stanciu, como médio ofensivo, é claramente a estrela da equipa e pode resolver um jogo sozinho. Estará claramente a contar com uma grande fase final para ingressar num clube de dimensão Champions League.

Onze Inicial

 

Albânia

O mais provável é disputar com a Roménia o terceiro lugar do grupo, apesar de já ter mostrado que pode defender muito (com muitos) contra equipas mais fortes (Portugal que o diga!) e disputar o resultado. É uma equipa muito forte fisicamente e que entrega por completo a inciativa ao adversário, esperando pacientemente no seu terço defensivo pelos erros do adversário.

Tem no guarda-redes Berisha e no central (ou médio) Lorik Cana as suas referências e pode ser a vez de Taulant Xhaka (que vai defrontar o irmão Granit Xhaka que optou jogar pela Suiça) dar o salto que a sua qualidade já merece. A velocidade de Gashi pode ser fundamental para a transição ofensiva que a Albânia prefere (velocidade e verticalidade).

Onze inicial

 


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar