Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

As minhas escolhas - UEFA EURO 2016

EURO 2016 - Grupo B

As minhas escolhas - UEFA EURO 2016

 

Inglaterra

Olhando para a qualidade individual é claramente a equipa mas forte do grupo. Em termos ofensivos, sobretudo se Hodgson escolher os melhores e não os mais fortes ou mais rápidos, é das equipas mais fascinantes desta prova.

Onze inicial

Com um meio campo deste género pode ser das equipas mas perigosas deste Europeu. Muita juventude, muita qualidade e irreverência. Muito jogo interior, muitas combinações para ultrapassar linhas e grande capacidade de desequilíbrio. Várias linhas de passe que facilitam muito a qualidade ofensiva da equipa. Tudo ao contrário do futebol inglês que fomos conhecendo...

No entanto, é bastante provável que o seleccionador inglês opte por uma inglaterra mais "madura" e com um futebol mais "britânico". Cahill, Henderson, Milner ou Vardy podem ser opção e retirar soluções à equipa. Pode custar caro...

Defensivamente a equipa é mesmo inglesa. Marcações individuais, muita gente atrás da linha da bola e zero organização colectiva. Sobretudo na última linha...

 

Rússia

Menos qualidade individual que a Inglaterra mas mais qualidade colectiva, sobretudo ao nível da organização defensiva. Tem a curiosidade (e a vantagem) de ter um seleccionador que treina ao mesmo tempo uma equipa russa (CSKA Moscovo). Dessa equipa russa foram convocados 7 jogadores que podem ajudar Leonid Slutsky a consolidar mais facilmente a suas ideias na equipa.

Ofensivamente a equipa procura jogar um futebol apoiado, com muitas linhas de passe interiores e exteriores e com os jogadores a tentar combinações para chegar a zonas de finalização em melhores condições. Falta Dzagoev (também do CSKA) por lesão que é sem dúvida o mais criativo desta selecção. Veremos em que forma de apresenta Shirokov.

Defensivamente, a ideia do treinador no clube foi sempre manter a equipa em zonas subidas e pressionar em todo o terreno e com todos os jogadores. Vamos ver se consegue, em menos tempo, implementar esta forma de jogador na selecção. Uma equipa a seguir com muita atenção.

 

País de Gales

Penso que pode almejar um dos melhores terceiros lugares (qualificam-se os quatro melhores) lutando com a Eslováquia e pouco mais. Apesar de ter alguns jogadores de grandíssima qualidade (Ramsey, Bale ou Allen) falta no resto da equipa um nível suficiente para projectar a equipa a um nível superior. É a primeira grande competição e surgem sem qualquer responsabilidade, o que pode ajudar à surpresa.

Defendem com três centrais e dois laterais e com dois médios mais defensivos (Ledley e Allen). As linhas estão sempre muito recuadas para depois aproveitarem o espaço nas costas do adversário (e a velocidade de Bale).

 

Eslováquia

Em princípio discute com o País de Gales um terceiro lugar que pode dar o apuramento. Também tem na sua equipa alguns jogadores de nível mundial como Skrtel, Weiss e claro Hamsik. No entanto o nível baixo muito nos restantes, como acontece com os galeses.

A eslováquia prefere sempre dar a iniciativa do jogo ao adversário o que contra Inglaterra e Rússia pode ser mais fácil. Contra os galeses vai ser engraçado perceber que nenhum dos dois sabe como ter a bola de forma eficaz.


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar