Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

O modelo de gestão segundo Jorge Jesus

E agora 2017?

O modelo de gestão segundo Jorge Jesus


"Ele é um homem que consegue olhar para o jogo de uma forma que mais ninguém olha. É grande treinador, não há volta a dar”, Manuel Sérgio, professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana. Jorge Jesus (JJ) é, sem sombra de dúvidas, o treinador mais experimentado do futebol português - ninguém conhece mais e melhor os campeonatos profissionais, os seus treinadores e equipas técnicas, os planteis, as táticas e os seus planos B e C, as movimentações e posicionamentos… tudo.

Mas no ADN de JJ mora o gene de chefão, de general, de uma figura que no futebol só presta contas e responde a uma só pessoa: o presidente. Enquanto treinador do Benfica, JJ gozou de uma liberdade “pornográfica” ao ponto de ter um gabinete só para ele, nem a equipa técnica partilhava o mesmo espaço do treinador, quanto mais uma estrutura técnica cujo objetivo principal seria alicerçar um processo de treino e de evolução de ponta tendo em vista a projeção do jogador ‘made in Seixal’ na equipa principal.
Com ele não era possível delinear uma política transversal para o clube, não era possível criar estratégias integradas de desenvolvimento e processo de formação, a política de comunicação era controlada pelo próprio. JJ não sabia trabalhar numa estrutura.

No treino, JJ é capaz de criar situações de jogo e exercitá-las até à exaustão; enquanto não sair como o próprio idealizou, ninguém sai do campo. Há muita gritaria, muitas palavras duras, há a teimosia e o autismo da precisão. Por outro lado, a intensidade e ritmo, a adaptação da metodologia e dos exercícios ao momentum da equipa, são características natas de JJ. É um autodidata. Um criativo na arte de jogar futebol. Exemplo disso foram os “falsos” bloqueios que o Benfica passou a executar nas bolas paradas, e que resultou em inúmeros golos importantes na luta pelas diferentes competições.
O futebol moderno tem muito de imprevisibilidade e magia, mas só deixa a magia nos pés de 2 ou 3 artistas em campo – mais nenhum jogador está elegível para improvisar ‘out-of-the-box’ do ‘JJ labs’.
O posicionamento em campo é uma das suas regras de ouro, e o jogador que não souber posicionar-se e movimentar-se nos momentos defensivos e ofensivos, e/ou de transição, terá de responder rapidamente com evolução e aprendizagem. Ou então vai levar com os berros de JJ durante os minutos que estiver em campo.
Há jogadores que nunca esquecerão JJ por aquilo que o próprio fez na construção e definição das suas carreiras. São inúmeros os casos, mas vou particularizar somente um: Fábio Coentrão.
O - agora – defesa esquerdo foi lançado na primeira divisão por Carlos Brito, em 2004, tinha 16 anos. Na altura o franzino extremo esquerdo dava nas vistas pelo seu virtuoso pé esquerdo cheio de recursos técnicos, pela criatividade e irreverência, pela velocidade e capacidade de ir à linha cruzar como poucos.
Em 2007, depois de uma época de destaque na liga de honra, Coentrão é contratado pelo Benfica onde fez 2 jogos como titular, “tapado” por Di Maria e Cristian Rodriguez, e uma aposta falhada em Freddy Adu. Emprestado ao Nacional na abertura do mercado, faz uma segunda parte da época espetacular (quem não se lembra da excelente exibição no Dragão coroada com 2 golos?).

Seguem-se discretas passagens pelo Saragoça e pelo “seu” Rio Ave. Vieram ao lume relatos de saídas à noite, pouca disciplina, pouca entrega e empenho, havia quem punha em causa a sua capacidade de jogar ao mais alto nível.
Mas em 2009, com a chegada de JJ ao Benfica, tudo muda. Passou a ser primeira alternativa a Di Maria, e a sua velocidade estonteante “partia” os laterais direitos adversários nos últimos 15 minutos de jogo, e a sua consistência obrigava JJ a utilizá-lo com maior frequência. Cesar Peixoto e Jorge Ribeiro não enchiam as medidas, e JJ à 8ª jornada decide apostar numa ala esquerda com Coentrão a lateral e Di Maria a extremo. Benfica ganhou por 6-1 ao Nacional.
A partir daqui é o que se sabe, Mundial da África do Sul, Real Madrid…
E deve tudo a JJ, à persistência deste em ensinar os posicionamentos de um lateral, as velocidades certas, o tempo de atacar a bola. JJ foi como um pai no futebol para Coentrão.
Funcionou com Coentrão, funcionará com muitos outros. No último derby na Luz, viu-se o Adrien, o Zeegelaar, Bas Dost e outros a reclamar para o banco como nunca. Pareciam ter saído de uma sessão de psicologia para combater a síndrome de Estocolmo.
Mas… Estará este modelo de gestão de JJ esgotado? Estarão os jogadores disponíveis para esta forma ou método? Poderá JJ continuar a tratar as estrelas como se de um teste de Pavlov se tratasse?
Vamos ver o que reserva 2017.

 

Texto por Daniel Moura


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar