Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Os melhores de 2017: Ranking "Onde dá a bola"

Defesa Esquerdo

Os melhores de 2017: Ranking "Onde dá a bola"

Chegou a vez dos defesas esquerdos. Em relação ao modelo não há novidades, é exactamente igual aos defesas direitos.

No topo da classificação o brilhante Grimaldo. Mesmo com uma lesão que lhe retirou mais de metade da época o Espanhol consegue uma performance fantástica em relação aos indicadores individuais. E quem o conhece sabe que para além disso tem uma tomada de decisão do melhor que já se viu nesta liga.

Posicionamento quase sempre certo, intenso a recuperar a posição e com bola demostra uma qualidade tremenda. Joga quase sempre pelo chão, combina por fora e por dentro quando o jogo pede, e entra na área com uma facilidade assustadora. Se não sair já este ano é um milagre.

Na segunda posição temos Alex Telles o que também não é grande surpresa. Estamos na presença de um excelente lateral com potencial para campeonatos mais fortes. Fala-se no interesse da Juventus e do Chelsea e isso diz alguma coisa do que vale o Brasileiro. Com a necessidade que o FC Porto parece ter em fazer dinheiro, não me admirava que este fosse o próximo grande negócio (depois do péssimo com Ruben Neves...). A fechar o pódio uma surpresa: Nuno Pinto do Vitória de Setúbal. Melhor a atacar do que a defender, o defesa Português de 30 anos beneficiou da boa primeira volta do Vitória (terminavam em 6º se mantivessem a pontuação na segunda volta). A idade provavelmente não permite grandes voos nesta fase da carreira, mas uma nova experiência no estrangeiro pode surgir com estes números. Realço ainda o facto de o Sporting não conseguir que o seu lateral esquerdo consiga sequer um pódio. Fiquei surpreendido com os indicadores defensivos de Marvin que esperava serem bastante mais baixos. Fica mais uma vez provado que bons números defensivos podem ser potenciados por decisões mal tomadas e posicionamentos defeituosos que obrigam depois a mais desarmes, mais tackles, etc. Nem sempre bons números individuais correspondem a boas prestações para o colectivo. No fim do dia é isso que interessa.

Fora dos grandes e tendo em conta que Nuno Pinto se destacou claramente dos demais temos que referenciar Rafa Soares. Ao contrário do lateral sadino, Rafa Soares tem 22 anos e um potencial tremendo. Parece-me claramente candidato a um lugar no plantel portista desta temporada. Se Alex Telles sair pode mesmo lutar pela titularidade e catapultar a carreira definitivamente para níveis internacionais que sempre pareceu merecer. Na segunda posição fora dos grandes vem Djavan. Tem 29 anos e já fez uma pré-época no Benfica, no entanto parece ter atingido o auge das suas capacidades. Com a chegada de Jefferson a Braga, parece ter perdido lugar no plantel e estará no mercado. Também contratado pelo Braga (sempre atentos ao talento na liga portuguesa) foi Nuno Sequeira que ocupa a terceira posição fora dos grandes. Mesmo prejudicado por jogar no último classificado da liga acaba por fazer uma época excelente, premiada pela transferência para o quarto melhor clube do nosso campeonato. Aos 26 anos não se pode pedir melhor e a luta com Jefferson vai ser interessante. Realço por fim a prestação mais baixa de Ailton, aparentemente alvo do SL Benfica, que pode ter sido prejudicado pela péssima temporada do Estoril (não fosse a chegada de Pedro Emanuel e podiam estar na segunda liga). Mesmo assim parece-me pouco para as ambições do clube da Luz.

Em relação aos detalhes Grimaldo pode melhorar nos duelos aéreos (dificilmente melhora com o tempo, tem 1,70m) e nos cruzamentos, onde pode facilmente fazer melhor uma vez que já provou ser capaz de cruzar com qualidade. O melhor jogador no score defensivo foi Ailton (talvez o Benfica tenha pensado nele por isso), enquanto no score ofensivo foi Grimaldo. No score de passe o melhor foi Rafa Soares que pode vir a ser uma das revelações da próxima temporada. Depois de alguma análise apercebi-me que o score de passe pode ser bastante influenciado pela forma como a equipa ataca (jogo de posse vs jogo de transições). No futuro vou pensar numa forma de minimizar este impacto.

Texto por Telmo


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar