Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Os melhores de 2017: Ranking OndeBola

MELHOR MÉDIO OFENSIVO - Pizzi Benfica

Os melhores de 2017: Ranking OndeBola


Neste artigo decidi englobar vários perfis de jogador num único: médio ofensivo.

Neste perfil cabem médios centro, médios interiores ou médios ofensivos (vulgo 10) por terem características semelhantes e pisarem zonas próximas. Desta forma simplificamos o modelo de análise em termos de posições mantendo alguma flexibilidade na construção do sistema táctico final.

Nesta posição valorizo claramente os números ofensivos (e de passe) em detrimento dos defensivos que, apesar de contarem para a classificação final, têm um peso diminuído.

No topo da classificação dos médios ofensivos não há qualquer espécie de dúvida. Por tudo o que fez durante a temporada (golos, assistências, qualidade na posse e mesmo no capítulo defensivo, Pizzi foi sem sombra de dúvidas o melhor médio da liga. A sua influência no Benfica é cada vez maior e com a experiência que vai acumulando é hoje um dos jogadores mais importantes do nosso campeonato. Chega a ser estranha a pouca utilização que vai tendo na selecção, sendo substituído por jogadores como André Gomes ou Renato Sanches.

Na segunda posição aparece um jogador de quem não sou especial fã quando joga como médio ofensivo (ou interior, para quem prefere). Se olharmos para os números de Herrera percebemos que a sua presença se deve muito mais ao que faz quando a equipa não tem bola (é o melhor na pontuação defensiva) o que explica a pouca admiração que tenho por este médio no ataque. Sou até da opinião (e tem acontecido na selecção Mexicana) que Herrera daria um excelente médio defensivo. Tem capacidade física, é agressivo a ocupar os espaços (apesar de não ser forte no posicionamento, com algum trabalho podia melhorar) e tem qualidade de passe para ser erficaz na primeira fase de construção. Um pouco como Adrien (que ainda assim é bastante mais criativo em posse) que também podia dar um médio defensivo de classe mundial mas que como médio ofensivo dificilmente passará de um nível razoável.

Em terceiro lugar uma das revelações do campeonato. Krovinovic, apesar de ter feito menos de 20 jogos no campeonato, apresentou-se a um nível altíssimo numa das equipas que melhor jogou na temporada passada. Sabe muito sobre o jogo, decide muito bem e consegue criar com muita facilidade. Defensivamente os números não são extraordinários mas o posicionamento é quase sempre exemplar, o que faz com que recorra menos vezes a cortes ou intercepções que melhoravam substancialmente os seus números. Não foi de estranhar que o Croata de 21 anos desse o salto na sua segunda temporada em Portugal. Tem ainda uma margem de progressão tremenda que obriga a que Rui Vitória aposte o suficiente para que o crescimento continue. Oliver Torres podia estar na mesma posição uma vez que a pontuação é praticamente igual. É um dos meus médios preferidos e vai melhorar muito este ano pois ainda tem apenas 22 anos. Decide sempre bem e tem uma criatividade tremenda. As soluções que encontra estão apenas ao alcance de meia dúzia de predestinados.

Fora dos 3 grandes, para além de Krovinovic, destacaram-se ainda Tiba, Geraldes e Neto. Se Tiba já vem sendo considerado um dos melhores fora dos grandes (após passagem por Braga), Neto foi uma surpresa. Primeira época em Portugal e números interessantes aos 25 anos. Vamos estar atentos à segunda temporada e ver se consolida os números e mantém alguma regularidade. Se o fizer vai sair de Moreira de Cónegos em breve. No entanto é Francisco Geraldes quem mais me impressiona. Aos 22 anos foi um dos melhores no capítulo ofensivo, jogando numa equipa que defende muito mais do que ataca. Vou ficar muito surpreendido se o Sporting não fizer questão que continue a treinar com Jesus. A pré-época não tem sido promissora mas eu acredito que tem jogado menos porque Jesus já o conhece bem.

Faça zoom no browser para ampliar a tabela seguinte:

Olhando para os detalhes, Pizzi foi castigado pela expulsão e pelas faltas cometidas e pode melhorar nesses aspectos e talvez nos foras de jogo, onde foi apanhado algumas vezes. Para dar um salto na classificação Herrera teria que melhorar alguns índices ofensivos onde foi manifestamente pobre: golos, remates à baliza e foras de jogo. Krovinovic pode melhorar nos desarmes e nas intercepções e ainda nos passes longos.

Realce final para a má performance de Adrien Silva que piorou significativamente em relação à época anterior. Não me sai da cabeça que a este facto estará directamente ligada a deficiente performance da sua equipa em termos defensivos. Parece-me que é chegada a altura de vender Adrien. É bom para toda a gente...

Texto por Telmo Frias


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar