Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Os melhores de 2017: Ranking OndeBola

MELHOR AVANÇADO - Jonas Benfica

Os melhores de 2017: Ranking OndeBola


A última posição do onze é uma das que dará mais que falar. São os avançados que marcam os golos e são por isso os jogadores mais mediáticos o que faz com que os adeptos lhe deem uma atenção que nem sempre merecem.

O golo é apenas o finalizar se um conjunto de acções protagonizada por vários jogadores que tocam na bola ou não. Em muitas situações, não tocar na bola é tão ou mais importante do que tocar.

Estas situações não são obviamente contabilizadas no meu modelo uma vez que este contabiliza acções mas não a ausência de acção (arrastamentos, aclaramento de espaços, simulações, etc).

Não é a primeira posição que vai gerar alguma polémica. Jonas parece-me a todos os títulos consensual. É completo, participa em todo o jogo da equipa e é o mais criativo da equipa. Até defensivamente é o mais trabalhador e ainda lhe sobre tempo para finalizar grande parte das jogadas que ajuda a construir. É o melhor jogador da liga desde que pôs os pés num campo em Portugal pela primeira vez. A idade é a única coisa que o faz continuar em Portugal, caso contrário estaria de novo numa liga de topo, num clube que dispute títulos.

Marega é o segundo da classificação e a verdade é que foi dos melhores na última época. A classificação do Guimarães no último ano foi muito pela participação de Marega (e Hernâni). Neste momento faz parte do plantel do FC Porto e tem participado (com poucos minutos) na pré-época dos dragões. Mesmo com esta pontuação parece-me curto para os vários objectivos do FC Porto, neste momento é a terceira opção (e única) a seguir a Aboubakar e Soares. De qualquer forma é forte fisicamente e bastante rápido o que em determinadas situações pode fazer falta à equipa.

Terceira posição para André Silva que se afirmou como um dos melhores da sua geração no mundo. Estas prestações e os seus 21 anos levaram o AC Milan a investir quase 40 milhões pelo português. Não tenho a certeza que o Milan esteja disposto a apostar forte nele o que me leva a pensar que pode ter feito uma aposta errada. Nesta fase é fundamental para André Silva jogar com regularidade numa equipa competitiva. Se tiver os minutos suficientes vai certamente construir a sua carreira como um dos melhores avançados da europa. É móvel, forte tecnicamente, faz golos, sabe sair da área e dar apoios frontais quando o jogo pede e sabe atacar a profundidade com a mesma qualidade. Mesmo nas alas, onde chegou a jogar a época passada, consegue alguns desequilíbrios e criar com relativa facilidade. Espero que jogue, a selecção precisa muito.

A polémica começa aqui. Bas Dost, avançado do Sporting, marcou 34 golos em 31 jogos, marca que só está ao alcance de grandes avançados, e isso fez com certeza com que na cabeça de muitos adeptos o Holandês parecesse muito melhor do que na realidade é. É bom de cabeça (dos melhores), tem alguma mobilidade, consegue explorar a profundidade e dentro da área é bastante eficaz mas é tudo. O jogo de Bas Dost começa e termina nos últimos 30 metros e em 90% dos casos apenas para dar o último toque. Depois de uma época com Jesus o Holandês está mais jogador, entende melhor o que o jogo precisa em cada momento e já consegue conduzir com bola quando a situação o solicita. Mas continua a ser curto para um futebol moderno em que todos atacam e todos defendem. Todos se dão ao portador e todos são portadores em alguma situação. Bas Dost pode crescer este ano porque o Sporting vai ser menos dependente das suas finalizações (e dos desequilíbrios de Gelson) porque parece ter laterais mais capazes de participar no ataque e porque a Gelson de junta Acuña, Bruno Fernandes e Podence para criar e finalizar mais e melhor. Em termos globais Bas Dost pode crescer com esta mudança mas os golos serão certamente menos. Fica o jogador e o clube a ganhar.

Fora dos três grandes destaque para Maurides que com poucos minutos fez números excelentes (6 golos e 3 assistências em 12 jogos) mas beneficia obviamente não ter sido sujeito ao escrutínio da regularidade. Esta época, aos 23 anos, precisa de se afirmar definitivamente no onze do Belenenses para poder dar o salto para uma equipa de maior valor. Tem qualidade para isso. Depois Welthon, que foi constantemente associado ao Sporting na época passada mas que parece continuar no Paços. Bons números tendo em conta o caudal ofensiva da sua equipa - 11 golos e 5 assistências - parecem fazer crer que pode almejar voos mais altos. Tem 25 anos e esta época será crucial para isso acontecer. É manter os números e as propostas vão aparecer. A fechar o pódio aparece Platiny (que também joga como extremo) que sem ser sempre titular acabou por fazer 6 golos importantíssimos para a boa época do Feirense. Vai agora jogar no Chaves que com Luís Castro pode ser uma das melhores propostas do nosso campeonato.

Ficam os detalhes para quem tiver algumas dúvidas. De seguida vou mostrar alguns "melhores onzes" da época transacta que são sempre interessantes e que provocam sempre alguma celeuma.

Texto por Telmo Frias


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar