Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Liga dos Campeões 2017-2018 - Ranking Onde Bola

Fase de Grupos - 1ª Jornada

Liga dos Campeões 2017-2018 - Ranking Onde Bola


Depois de algumas semanas a amadurecer o modelo com os dados da liga NOS decidi experimentar o mesmo modelo na Liga dos Campeões. Utilizei a primeira jornada da fase de grupos, na semana passada, que ainda está fresca na memória das pessoas. Os resultados estão aí e têm algumas surpresas... É como costumo dizer, um engano qualquer um consegue, o problema é a regularidade!

Na baliza Alisson do Roma. Nada de especial na exibição do brasileiro, mas foi o melhor e isso é o que interessa. Sem golos sofridos num jogo que só teve um sentido, fez nove defesas para golo, o que é notável, e falhou 5 passes em 32 o que é razoável. Abusa um pouco do passe longo mas isso pode nem ser culpa dele...

Na lateral direita temos a primeira surpresa, André Almeida do SL Benfica. Com uma belíssima pontuação, o lateral português conseguiu ser o melhor da jornada. Defensivamente esteve bastante regular com 9 duelos ganhos (2 aéreos), 6 recuperações, 2 intercepções e 1 desarme. No ataque conseguiu participar em muitos lances, dos quais realço dois passes para finalização, 2 dribles e 1 cruzamento (em 8, o que é normal para ele...). Falhou 14 passes (em 97) mas a maioria dos que acertou foram no meio campo ofensivo. Nada disto é espetacular, mas não foi por causa do lateral direito que o Benfica perdeu este jogo.

O lateral esquerdo é Filipe Luís do Atlético de Madrid. Um pouco abaixo de André Almeida na pontuação geral, com menos intervenções que o português. Defensivamente apenas realço os 4 desarmes com sucesso. No ataque 5 passes para finalização é muito bom, aos quais juntou 1 remate enquadrado e 2 cruzamentos (em 6, também não é brilhante). No passe esteve um pouco melhor que André com uma grande percentagem de passes com sucesso feitos no meio campo do adversário. Muito interessante para um lateral mas não espanta, tal foi o caudal ofensivo dos colchoneros neste jogo.

Os centrais são Sérgio Ramos do Real Madrid e John Stones do Manchester City. O espanhol um pouco melhor que o inglês nesta jornada sobretudo no capítulo defensivo, onde foram ambos apenas razoáveis. Dos números defensivos realce para os 3 remates bloqueados por John Stones e as 15 recuperações de bola de Sérgio Ramos. No ataque estiveram os dois excelentes e muito próximos. John Stones fez mesmo dois golos na vitória contra o Feyenoord enquando Ramos fez um dos golos do Real contra o APOEL. No passe estiveram exemplares com poucos passes falhados - 5 em 80 para o espanhol e 3 em 134 para o inglês - e com boa percentagem de passes acertados no meio campo adversário.

Na frente da defesa a segunda surpresa da jornada, Felipe Augusto do SL Benfica. Não foi excelente mas ninguém fez mais do que  ele na mesma posição. Doze duelos ganhos (4 aéreos), 7 recuperações, 1 intercepção e 1 desarme são números normais. No ataque ganhou duas faltas e fez um passe para finalização. No passe fez 5 passes longos, todos acertados (um record na Champions para esta posição!) e fez grande parte dos passes no meio campo adversário. Apesar destes números as exibições deste brasileiro parecem sempre piores porque o seu posicionamento em transição defensiva deixa sempre muito a desejar. Rui Vitória pode trabalhar para resolver estes problemas porque o jogador tem qualidade para mais.

O médio ofensivo é Tiago Alcântara do Bayern de Munique. O hispano-brasileiro é hoje um dos melhores do mundo na sua posição e só não luta por uma bola de ouro porque o seu organismo tem dificuldade em acompanhar o brilhantismo da sua mente. Esta jornada consegue uma performance defensiva e de passe brilhantes às quais junta um conjunto de intervenções ofensivas bastante boas. Defensivamente tem 10 duelos ganhos, 11 recuperações de bola, 1 intercepção e 7 desarmes (relembro, é um médio ofensivo!) o que é simplesmente brutal. No ataque realce para o golo marcado, os quatro passes para finalização e um drible, o que não é nada mau. A juntar a isto falhou apenas 8 passes (em 116) e apenas falhou um passe longo (em 8!).

Os extremos desta semana são Mohamed Salah do Liverpool e Zivkovic do SL Benfica. O egípcio de 25 anos não fez uma exibição exuberante, mas não houve melhor na sua posição. Defensivamente foi pouco participativo (4 duelos, 7 recuperações e 1 desarme) mas ofensivamente esteve a um bom nível. Um golo, dois passes para finalização, dois dribles e um cruzamento (sem nenhum falhado!). No passe esteve pouco interventivo mas sem grandes erros. Já Zivkovic mostrou mais uma vez que é um dos melhores jogadores do Benfica. Bom a defender, melhor a atacar e excelente no passe, foi assim a exibição do sérvio. Doze duelos ganhos (1 aéreo, com 1,69 m), oito recuperações e um desarme são os números a defender. No ataque uma assistência, quatro passes para finalização, seis dribles e três cruzamentos (em sete). Falhou apenas sete passes (em 68) o que é muito interessante tendo em conta que os passes de um extremo serão maioritariamente em zonas próximas da baliza, com pouco espaço e pouco tempo.

No ataque os melhores foram Doumbia do Sporting CP e Harry Kane do Tottenham. Na defesa e no passe foram bastante discretos, mas no ataque foram brilhantes. Doumbia, um golo, uma assistência, dois passes para finalização, dois remates enquadrados e um drible em 63 minutos. Muito bom! Já o avançado inglês do Tottenham consegue uma assistência, dois golos, 3 passes para finalização, dois remates enquadrados e dois dribles. Foi o melhor jogador da jornada com 8.23 e foi substituído aos 87 minutos para o aplauso!

Texto por Telmo Frias.

Que tal as surpresas? Comentem!


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar