Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Liverpool - 5 - Arsenal - 5 (5-4 nos penaltis )

Jogo de Loucos na Taça da Liga Inglesa...

Liverpool - 5  - Arsenal - 5  (5-4 nos penaltis )

Emoção, espectáculo, golos, incerteza e loucura até ao fim...

 O Liverpool derrotou o Arsenal nas grandes penalidades, após um jogo fantástico, excitante, de loucos, com dez golos nos 90 minutos, com o placard final sinalizando um frenético 5 a 5.

  O jogo começou como quase sempre começam os jogos do Liverpool, a carregar em cima do adversário e sem surpresa chegou ao golo cedo, estavam decorridos 6 minutos com um auto golo do arsenalista Mustafi. Mas a reacção dos gunners fez sentir e em um quarto de hora com um golo de Lucas Torreira e um bis de Martinelli virou completamente o resultado.

  Mas como é apanágio no Liverpool de Kloop, os reds não se deixam ficar e após pressão conseguem chegar ao golo por James Milner de grande penalidade. Ao intervalo, 2-3.

  Na segunda parte, o Arsenal entra melhor e chega ao quarto tento por Maitland - Niles, e tudo parecia controlado pelos pupilos de Unai Emery... Só que Liverpool é Liverpool, Kloop é Klopp, e em 5 minutos a formação da terra dos Beatles chegou ao empate com golos de Chamberlain e Origi. Com 4-4 no marcador, a incerteza era tanta, a vitória podia cair para qualquer um dos lados e o golo entrar ora numa ora noutra baliza, mas foi o Arsenal que mais uma vez se mete na frente do marcador por Willock.
 Mas mesmo sem as estrelas da equipa, Salah, Firmino ou Mané no ataque, sem Fabinho no meio ou na defesa Van Dijk lá atrás, mesmo assim a pressão foi enorme, o Liverpool carregou, carregou e foi premiado aos 90+4 por Origi.

 Depois, bem... Depois foi a lotaria das grandes penalidades e aí ganha a competência, o Liverpool foi mais eficaz e com isso seguiu em frente na Taça, deixando o Arsenal pelo caminho.

 Grande jogo, emocionante e um hino ao futebol... Seguiu em frente o Liverpool.

  Filipe Simões


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar