Onde dá a Bola?

Artigo de Opinião

Quer escrever artigos de opinião? Contacte-nos aqui!.

Castigo a Bernardo Silva - PELA NEGATIVA

O ridículo e injusto castigo a Bernardo Silva

Castigo a Bernardo Silva - PELA NEGATIVA

 Racismo?
 Mas então!!!

 É certo e sabido que o futebol inglês tem o melhor campeonato do mundo, tem os grandes e mais caros jogadores, até os melhores treinadores, os árbitros com maior capacidade na interpretação das leis do jogo e julgava-se até que poderia ter os melhores dirigentes, mas chega-se à conclusão que se calhar não é bem assim.

  Inacreditável a decisão de castigar um jogador exemplar dentro e fora de campo, que numa simples brincadeira de amigos e numa rede social pessoal fez uma publicação, repito, na brincadeira com um amigo, que referiu isso mesmo, foi uma brincadeira e mesmo assim a Federação Inglesa de Futebol quis deixar a sua marca.

  Bernardo Silva foi castigado com um jogo, uma multa de 50 mil libras e ainda a obrigação de participar numa acção de formação, como se tivesse cometido um crime social e barbaramente condenável.

  A Federação Inglesa de futebol quis ser mais papista que o papa, utilizou este caso de forma fanática e numa perseguição a um jogador mágico e nada conflituoso, quis sem dúvida ser o carrasco de um réu inocente.

  É uma decisão radical que perante casos futuros de racismo puro não deixará de pôr nunca situação delicada a própria Federação Inglesa de Futebol, que terá de ter uma mão exemplarmente pesada. Mas nem 8 nem 80, é uma decisão controversa que mexe com a liberdade de direito de publicar, brincar do ser humano, sim, porque antes do jogador de futebol, está o ser humano.

  Nós portugueses apenas desejamos que o atleta não se deixe afectar por esta absurda condenação, ridícula e sem nexo, que transforma um grande jogador, profissional e um ser humano exemplar  num banal racista.

SEM SENTIDO...

Portugal devia de se indignar...
 
Pela negativa esta decisão da Federação Inglesa de Futebol...

Filipe Simões
  
 


Reportar artigo?

Comentários


<- Voltar